O comércio é um elemento inseparável da nossa cidade, da sua identidade e da sua confluência com o nosso centro histórico, visto que estamos a falar na Capital do Comércio em Portugal. A atenção que prestamos a esta temática, terá uma relevância significativa no plano social e no ordenamento da nossa cidade. O modo como as trocas comerciais cresceram com a evolução da sociedade de consumo hoje presente, influenciou, significativamente, a forma como os espaços comerciais se foram formando, com novas acessibilidades e espaços criados em zonas periféricas da pólis, criando, assim, novas centralidades – expandindo consigo a própria cidade. Tal fenómeno verificou-se em Braga, a título de exemplo, com a construção da superfície comercial “Nova Arcada” em 2016.
A Juventude Socialista de Braga considera que ao comprar no comércio de rua de Braga, os munícipes estão a contribuir para o tecido comercial da região, procurando um comércio autêntico e de grande proximidade disponível nas ruas do concelho, ao invés de um comércio frio, impessoal e mais mecanizado, sustentado nos centros comerciais. O apelo da JS Braga vai de encontro à proteção dos lojistas e do comércio local – motor essencial para a sustentabilidade económica das famílias e património inigualável do concelho. Em contra mão, a Câmara Municipal de Braga tem vindo, de forma inexplicável, a promover a proliferação de superfícies comerciais – comprometendo, consequentemente, o comércio local e um ordenamento territorial saudável. Com esta posição, assume-se a necessidade de revisão dos procedimentos de licenciamento municipal sobre as grandes superfícies comerciais, evitando um estrangulamento, sem precedentes, do comércio de rua. Tudo isto, porque, tal como referem os apelos da Associação Comercial de Braga, importa salvaguardar o funcionamento equilibrado do comércio na cidade, onde uma competitividade mais forte não inviabiliza o tecido económico local. Não coadunamos com esta exacerbada política de planeamento para a nossa cidade, que tende a promover longas cadeias de precarização que tanto afetam os jovens – com contratos mal remunerados e a termo certo. Porque a juventude não é apenas irreverência, vem a Juventude Socialista manifestar especial preocupação com as políticas desenvolvidas pelo atual executivo, no sentido de que o futuro possa ser mais próspero para todas as gerações.
BRAGA, CAPITAL DAS GRANDES SUPERFÍCIES COMERCIAIS.

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *

Este site utiliza cookies próprios e de terceiros. Se continuar a navegar, consideramos que aceita o seu uso.